CMOC BRASIL

Especialista esclarece sobre mitos que atrapalham a prevenção ao câncer de próstata

Segunda neoplasia que mais atinge os homens no Brasil, o câncer de próstata pode atingir cerca de 66 mil homens neste ano, segundo o Inca. Alguns mitos são responsáveis pelas negligências de muitos pacientes que não se previnem contra a doença

Por Redação em 12/11/2020 às 15:46:04
(Reprodução)

(Reprodução)

O câncer de próstata segue sendo o segundo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a expectativa é de que quase 66 mil homens brasileiros tenham a doença em 2020. Em 2018, mais de 15 mil homens morreram vítimas da doença, de acordo com o Atlas de Mortalidade por Câncer, levantado pelo Sistema de Informação sobre Mortalidade. Para alertar os homens sobre a importância de se prevenir, a sociedade se envolve em todo o mundo na campanha Novembro Azul.

O câncer de próstata tem uma grande chance de ser curado quando diagnosticado precocemente. Segundo o médico urologista Fernando Leão, quando identificada nos estágios iniciais, a chance de cura da doença chega a 90%. "O grande problema é que o câncer de próstata é silencioso e, quando aparecem os primeiros sintomas, a doença já pode estar em um estágio avançado", detalha Leão. "Por isso é importante que o homem com mais de 50 anos frequente regularmente o especialista. Aqueles que têm histórico de parentes com câncer na família devem iniciar os preventivos a partir dos 40 anos", completa o especialista, que também é membro da American Urological Association (AUA) e da Society of Robotic Surgery, ambas dos Estados Unidos, e da Société Internationale d"Urologie (SIU), do Canadá.

A pandemia do novo coronavírus também pode piorar esse cenário porque muitos pacientes adiaram as visitas aos especialistas para evitar exposição ao vírus. Segundo estimativas das Sociedades Brasileiras de Patologia e de Cirurgia Oncológica, cerca de 50 mil brasileiros deixaram de ser diagnosticados neste ano. "Os dados são alarmantes porque pessoas que desenvolveram o câncer durante esse período acabam perdendo um tempo valioso para o combate da doença, e teremos casos em estágios de doença mais avançados", explica Leão, que ainda destaca que os principais fatores de risco para o câncer de próstata são sedentarismo, obesidade, tabagismo e etilismo, alimentos ricos em gordura saturada (carne vermelha e laticínios), hereditariedade e longevidade (maior expectativa de vida).

Principais mitos

Segundo o especialista, alguns mitos acabam prejudicando o combate ao câncer de próstata. O primeiro grande mito envolve a crença que muitas pessoas têm de as chances de incidência da doença serem baixas em pessoas sem o histórico de câncer de próstata na família. Mesmo que as chances de desenvolvimento da doença sejam maiores em pessoas que já tiveram algum familiar com a neoplasia, essa doença pode atingir qualquer homem. Fernando Leão ainda detalha que há outros grupos de riscos que devem ter mais cuidado. "Os homens negros têm mais chances de ter a doença, assim como pessoas obesas e fumantes", destaca o urologista.

Outro grande mito é de que a vasectomia causaria câncer de próstata. "Não há estudos robustos que apontem essa relação da doença com a vasectomia. Portanto, o procedimento cirúrgico não é fator de risco para a doença", afirma o urologista.

Os pacientes tratados do câncer de próstata também devem ficar atentos para a possibilidade de recidiva da doença. "Aqueles que passaram por tratamento podem comemorar, mas devem manter seus controles conforme orientações de seu médico, pois em alguns casos a doença pode retornar. De qualquer forma, é importante manter as visitas ao especialista regularmente", destaca Leão. Da mesma forma, aqueles que apresentarem recidiva não devem desanimar, já que a neoplasia é possível de ser superada novamente.

Apesar desses mitos, Leão alerta sobre o risco do sedentarismo como potencializador do câncer de próstata. Segundo o especialista, a obesidade e a falta de exercícios podem alterar moléculas responsáveis pelo surgimento da neoplasia. Por isso, é indicado que os pacientes tenham uma vida com alimentação saudável baseada em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, dieta rica em selênio e vitamina E, hidratação adequada, além de praticar exercícios físicos regularmente.

Fonte: Comunicação Sem Fronteiras

CMOC BRASIL
Saneago
CMOC Queimadas
Sefac 10 anos Super

Comentários

camara de ouvidor gif 3